Escolha sua plataforma e compre
Experimente grátis por um mês com 10 licenças.
Para que vai ser usada a conta?
Cadastre-se

Para usuários de 13 anos ou mais. Crianças menores de 13 anos podem usar CogniFit com um dos progenitores em uma das outras plataformas.

loading

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

corporativelanding_CapacidadCerebral_social_picture

Ginástica cerebral

O que é, definição e exercícios para praticar a ginástica cerebral

  • Acesse os exercícios de avaliação clínica do cérebro

  • Estimule e ajude a fomentar o treinamento do cérebro

  • Ajude a regenerar e recuperar as funções danificadas. Experimente grátis!

loading

Considerando a eclosão da pesquisa na estrutura, organização e funcionamento cerebral, podemos esperar que, tal como sua irmã, a "ginástica física", a ginástica cerebral também se tornará uma área de investigação científica completa. A razão é porque o conceito de aptidão cerebral parece atravessar vários conceitos principais (como a aprendizagem, a plasticidade e o entorno) na área da pesquisa cerebral.

Abaixo aparece uma definição provisória do conceito de ginástica cerebral. "Ginástica cerebal é a capacidade que possui o cérebro para aprender quais são as necessidades do organismo e sobreviver em ambientes de mudança."

É de notar que o conceito de ginástica cerebral deveria ter esperado até o século 21 para ser conhecido. Nenhuma outra civilização assistiu às grandes e rápidas divisões e mudanças entre gerações para que uma significante quantidade de conhecimentos aprendidos entre gerações de progenitores possa estar desatualizada para a próxima geração, criando a necessidade de assimilar rapidamente novas experiências de aprendizagem e elaborar novos circuitos cerebrais de processamento de informação para uma atualização generacional. Como o homem está transformando sua civilização de sectária a global, de uma sociedade com conhecimentos limitados a uma evolutiva e baseada no conhecimento, ele vai ter que criar entornos que produzam cérebros mais saudáveis capazes de manter uma habilidade de aprendizagem contínua. Argumentando a possibilidade de que a ginástica cerebral exige níveis de plasticidade tão significantes que o funcionamento cerebral pode ser aprimorado ou reabilitado pela manipulação de influências ambientais e que elas, por sua vez, vão continuar a afetar a plasticidade cerebral e a habilidade de aprendizagem em um círculo sem fim.

A ginástica cerebral implica que, devido às maravilhas da plasticidade cerebral, a capacidade de aprendizagem deve necessariamente conduzir a um grande domínio da capacidade. Porém, sabemos que, apesar de uma inteligência e instruções adequadas e a oportunidade necessária para praticar, algumas pessoas não podem dominar as habilidades que aprendem.

Por exemplo, os indivíduos com dislexia têm sérias dificuldades para ler, os indivíduos com disgrafia, para escrever e os que têm discalculia, para fazer cálculos aritméticos. Com um maravilhoso esforço, muitos desses indivíduos mostram uma extraordinária habilidade de compensação e, apesar da deficiência nas habilidades de leitura, escrita e aritmética, conseguem alcançar seus objetivos, que requerem essas habilidades. Esses indivíduos usam o que está disponível no entorno para compensar a incapacidade cerebral e dominar uma determinada capacidade. Por exemplo, um indivíduo com dislexia guiará sua leitura ouvindo leituras orais de professores e progenitores. Seu cérebro aprende a processar a linguagem escrita de uma forma totalmente diferente que outros cérebros, que podem decodificar letras e sons por eles mesmo. Essa compensação acontecerá quando o entorno (progenitores, escolas, bibliotecas, editoras) proporcione suficientes materiais para a leitura. Portanto, a ginástica cerebral implica a habilidade do cérebro para contar com mais de um estilo de aprendizagem e uma estratégia de solução de problemas. Como salientado no exemplo anterior, o desenvolvimento desses circuitos alternativos de processamento de informações é impossível na ausência de importantes contribuições do entorno. Porém, um objetivo funcional claro também é fundamental para possuir um cérebro saudável. Para terminar com nosso exemplo de dislexia, o objetivo é entener o significado geral abordado no texto escrito, não apenas ter sucesso na leitura de palavras e letras individuais. Em resumo, a ginástica cerebral tem mais tendência de se desenvolver quando o entorno proporciona várias fontes de informação paralelas. Em nosso exemplo, seriam tanto o texto escrito quanto sua leitura oral. Porém, apesar de que esse entorno mais valioso é mais favorável à aprendizagem e a melhorar a estrutura, organização e funcionamento cerebral, não é suficiente. A pesquisa na área da plasticidade cerebral também nos ensinou que, para ter êxito, a aprendizagem deve conferir ao aluno uma vantagem comportamental para sobreviver.

O maior desafio para a validação do conceito de ginástica cerebral está representado pelo desânimo associado às doenças neurodegenerativas, tais como o Alzheimer. A questão de se todos os cérebros humanos podem alcançar um nível saudável e continuar aprendendo e se deselvolvendo para sobreviver será, no futuro, investigada com as ferramentas da neurociência, psicologia, medicina, educação e as ciências sociais. Esta pesquisa guiará neurocientistas, pais, educadores, psicólogos, nutricionistas, médicos e governos para desenhar entornos adequados para o contínuo desenvolvimento de um cérebro saudável e de bom funcionamento para todos os indivívuos de todas as idades.

Os estudos independentes e a validação científica mostram que CogniFit é um complemento fundamental para estimular e preservar a ginástica cerebral.

Referências

Horowitz-Kraus T, Breznitz Z. - Can the error detection mechanism benefit from training the working memory? A comparison between dyslexics and controls- an ERP study - PLoS ONE 2009; 4:7141.

Evelyn Shatil, Jaroslava Mikulecká, Francesco Bellotti, Vladimír Burěs - Novel Television-Based Cognitive Training Improves Working Memory and Executive Function - PLoS ONE July 03, 2014. 10.1371/journal.pone.0101472

James Siberski, Evelyn Shatil, Carol Siberski, Margie Eckroth-Bucher, Aubrey French, Sara Horton, Rachel F. Loefflad, Phillip Rouse. Computer-Based Cognitive Training for Individuals With Intellectual and Developmental Disabilities: Pilot Study - The American Journal of Alzheimer’s Disease & Other Dementias 2014; doi: 10.1177/1533317514539376 corporativelanding_CapacidadCerebral_12

Preiss M, Shatil E, Cermakova R, Cimermannova D, Flesher I (2013) Personalized cognitive training in unipolar and bipolar disorder: a study of cognitive functioning. Frontiers in Human Neuroscience doi: 10.3389/fnhum.2013.00108. corporativelanding_CapacidadCerebral_13

Haimov I, Shatil E (2013) Cognitive Training Improves Sleep Quality and Cognitive Function among Older Adults with Insomnia. PLoS ONE 8(4): e61390. doi:10.1371/journal.pone.0061390

Shatil E (2013). Does combined cognitive training and physical activity training enhance cognitive abilities more than either alone? A four-condition randomized controlled trial among healthy older adults. Front. Aging Neurosci. 5:8. doi: 10.3389/fnagi.2013.00008 corporativelanding_CapacidadCerebral_15

Shatil E, Metzer A, Horvitz O, Miller A. - Home-based personalized cognitive training in MS patients: A study of adherence and cognitive performance - NeuroRehabilitation 2010; 26:143-53.

Korczyn AD, Peretz C, Aharonson V, et al. - Computer based cognitive training with CogniFit improved cognitive performance above the effect of classic computer games: prospective, randomized, double blind intervention study in the elderly. Alzheimer's & Dementia: The Journal of the Alzheimer's Association 2007; 3(3):S171.

Shatil E, Korczyn AD, Peretzc C, et al. - Improving cognitive performance in elderly subjects using computerized cognitive training - Alzheimer's & Dementia: The Journal of the Alzheimer's Association 2008; 4(4):T492.

Verghese J, Mahoney J, Ambrose AF, Wang C, Holtzer R. - Effect of cognitive remediation on gait in sedentary seniors - J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2010 Dec;65(12):1338-43. corporativelanding_CapacidadCerebral_20

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail