Sobre os cookies neste site

Este site usa cookies para melhorar sua experiência on-line. Ao continuar a usar este site sem alterar suas preferências de cookies, consideramos que você está concordando com o uso de cookies. Para mais informações ou para alterar suas preferências de cookies, visite nossa política política de cookies.

Aceitar
Escolha sua plataforma e compre
Experimente grátis por um mês com 10 licenças.
Para que vai ser usada a conta?
Bem-vindo à CogniFit!

Confirme que o uso das avaliações e treinamentos é para você. Você criará uma conta pessoal. Este tipo de conta foi especialmente criado para ajudar você a avaliar e treinar suas habilidades cognitivas

Confirme se as avaliações e os programas de treinamento cognitivos serão usados por seus pacientes. Você vai criar uma conta de gerenciamento de pacientes, a fim de dar a eles acesso às avaliações e programas de treinamento de CogniFit

Confirme que você deseja oferecer treinamento e/ou avaliações cognitivas para seus familiares ou amigos. Você criará uma conta familiar. Esta conta foi criada para fornecer aos membros de sua família acesso a avaliações e treinamentos de CogniFit.

Por favor, confirme que o uso dos treinamentos e avaliações cognitivos é para os participantes do estudo de pesquisa. Você criará uma conta de pesquisa. Esta conta será especialmente desenvolvida para ajudar os pesquisadores em seus estudos nas áreas cognitivas.

Confirme se as avaliações e os programas de treinamento cognitivos serão usados por seus alunos.Você vai criar uma conta de gerenciamento de alunos, a fim de dar a eles acesso às avaliações e programas de treinamento de CogniFit.

loading

Para usuários a partir de 16 anos. Crianças menores de 16 anos podem usar CogniFit com um dos progenitores em uma das plataformas para famílias.

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

corporativelanding_STUDY-COGNITIVE-REMEDIATION-GAIT-SENIORS_social_picture

CogniFit melhorou a mobilidade nos idosos

Publicação científica sobre mobilidade e redução de quedas

  • Gerenciar convenientemente pacientes de pesquisa da plataforma para pesquisadores

  • Avaliar e treinar até 23 habilidades cognitivas para os participantes do estudo

  • Verificar e comparar o desenvolvimento cognitivo dos participantes para os dados do seu estudo

Começar Agora
loading

Nome original:Effect of Cognitive Remediation on Gait in Sedentary Seniors.

Autores: Joe Verghese1, Jeannette Mahoney1,2, Anne F. Ambrose3, Cuiling Wang4 y Roee Holtzer1,2.

  • 1. Department of Neurology, Albert Einstein College of Medicine, Yeshiva University, Bronx, Nova York.
  • 2. Ferkauf School of Psychology, Yeshiva University, Bronx, Nova York.
  • 3. Department of Rehabilitation Medicine, Mt. Sinai Medical Center, Nova York.
  • 4. Department of Epidemiology and Population Health, Albert Einstein College of Medicine, Yeshiva University, Bronx, Nova York.

Publicação: Journal of Gerontoly: MEDICAL SCIENCES (2010) 65A(12): 1338-1343.

Referências a este artigo (estilo APA):

  • Verghese, J., Mahoney, J., Ambrose, AF., Wang, C., & Holtzer, R. (2010). Effect of cognitive remediation on gait in sedentary seniors. J Gerontol A Biol Sci Med Sci., 65(12), pp.1338-43.

Conclusão

O treinamento cognitivo CogniFit foi capaz de melhorar a mobilidade em idosos sedentários através de um tratamento de 8 semanas, 3 dias não consecutivos por semana, com duas sessões de treinamento a cada dia. Mobilidade durante a marcha (variação: 8,2 ± 11,4-1,3 ± 6,8 cm/s, p =. 10) e durante a marcha durante enquanto conversa (variação: 19,9 ± 14,9 ± 20,1 cm/s, p = 0,05) em comparação com o grupo de controle.

Resumo do estudo

Os problemas de mobilidade aumentam com a idade e afetam negativamente a qualidade de vida das pessoas. Algumas habilidades cognitivas, como a atenção e as funções executivas são muito importantes na regulação da mobilidade. Na verdade, foi detectado que um mau funcionamento dessas habilidades cognitivas está intimamente relacionado a redução de mobilidade e quedas em pessoas idosas. Por esse motivo, o treinamento cognitivo foi proposto como uma possibilidade para melhorar a velocidade ao caminhar e reduzir quedas em idosos.

Um programa de controle aleatório foi aplicado a 24 idosos sedentários . Nenhuma dessas pessoas se exercitava mais de uma vez por semana, caminhando a uma taxa de menos de um metro por segundo (<1m/s). Elas foram designadas aleatoriamente para o grupo de "lista de espera" ou para o grupo de programa de treinamento cognitivo de oito semanas de CogniFit. Os resultados foram divididos em velocidade durante o andar normal e "caminhar e falar simultaneamente" . A proporção de pessoas que melhoraram em cada grupo também foi comparada. Essa melhora consistia em uma mudança de velocidade maior ou igual a quatro centímetros por segundo (≥4cm/s).

Os resultados mostraram que o treinamento cognitivo com CogniFit melhora a mobilidade em idosos sedentários. Esta informação demonstra a utilidade da ferramenta de CogniFit para fortalecer e estimular as habilidades cognitivas relacionadas à mobilidade.

Contexto

Os problemas de mobilidade aumentam durante o envelhecimento. Pessoas com essas dificuldades tendem a se socializar por um período mais curto de tempo, desfrutar de uma qualidade de vida inferior e ter taxas mais altas de morbidade e mortalidade. Há uma ampla evidência científica sobre os benefícios do exercício físico, como caminhar, para evitar problemas de mobilidade. Apesar disso, metade dos idosos tendem a abandonar os programas de exercícios físicos nos primeiros três a seis meses. Isso explica a necessidade de explorar outras abordagens para melhorar a mobilidade dessa população.

O comportamento das pessoas, como caminhar (marcha), é regulado por várias habilidades cognitivas, como atenção e funções executivas. Elas permitem a adaptação a situações variantes, prever resultados e fornecer os recursos para realizar mais de uma atividade ao mesmo tempo. Tudo isso é necessário para uma marcha correta. De fato, os problemas de atenção e de funções executivas estão associados a quedas e mobilidade lenta.

Alguns estudos descobriram que a terapia medicamentosa para essas habilidades cognitivas tem um efeito positivo na marcha. Por outro lado, foi demonstrado que os programas de treinamento cognitivo podem melhorar as funções de atenção e executivas. Apesar disso, não foi estudado como o treinamento cognitivo afeta a marcha, e isso poderia ser um bom complemento para evitar problemas de mobilidade.

CogniFit é uma ferramenta on-line de avaliação e treinamento cognitivo que provou sua validade para avaliar e estimular diferentes habilidades cognitivas, como a atenção e as funções executivas. A simplicidade do design significa que CogniFit pode ser usado tanto por jovens quanto por idosos. Por estas razões, é a ferramenta ideal para realizar este estudo.

Portanto, o objetivo deste estudo é descobrir como o treinamento cognitivo computadorizado de CogniFit pode afetar a velocidade normal da mobilidade e a capacidade de andar e falar ao mesmo tempo.

Metodologia

Seleção e design

Para conduzir o estudo, optou-se por um design de controle aleatório, dividido em dois grupos: o experimental "treinamento cognitivo" e o grupo de controle "lista de espera".

As cartas foram inicialmente enviadas para pessoas com 70 anos ou mais, explicando o objetivo do estudo. Depois disso, potenciais participantes foram contatados por telefone. Uma vez que o consentimento verbal foi dado, uma pequena entrevista foi realizada para determinar se eles se encaixavam nos critérios de inclusão para o estudo. As 45 pessoas que se enquadravam nos critérios do estudo foram convidadas para o centro de pesquisa a fim de passar testes mais precisos.

O teste em pessoa consistiu em uma avaliação cognitiva com o MMSE (Miniexame do Estado Mental) e uma avaliação da mobilidade. Nesse processo, 21 participantes foram eliminados por não atender aos critérios de inclusão:

  • Ter 70 anos de idade ou mais.
  • Disponibilidade e compromisso para completar o estudo.
  • Ser sedentário (fazer exercício uma vez por semana ou menos).
  • Mobilidade lenta (<1,0m/s).
  • Ausência de demência (nenhum diagnóstico clínico de demência, com uma pontuação de ≥5 na triagem por telefone e de ≥25 no MEEM).
  • Capacidade de se mover de forma independente (caminhar).
  • Não ter sido hospitalizado nos últimos três meses por doença grave, cirurgia nem ter um histórico de doença neurológica ou psiquiátrica grave.
  • Não ter participado de nenhum outro estudo.

As 24 pessoas que se encaixaram nestes critérios foram divididas igualmente nos dois grupos de forma aleatória. Todas deram consentimento por escrito. Além disso, não receberam nenhuma contribuição financeira, mas um vale-transporte para participar de todas as sessões.

Grupo Experimental ou de Treinamento Cognitivo

No grupo experimental, a primeira sessão de treinamento consistiu em explicar aos participantes os conceitos básicos de como usar o computador, já que apenas 2 de 12 pessoas usavam o computador regularmente. A avaliação inicial de CogniFit, que dura aproximadamente 45 minutos, foi iniciada. Essa avaliação permite que a ferramenta ajuste a dificuldade das tarefas de acordo com os pontos fracos ou fortes da pessoa. As sessões de treinamento computadorizadas consistiram em dois ciclos de treinamento com CogniFit. Cada ciclo de treinamento durou de 15 a 20 minutos e consistiu em três tarefas. As pessoas fizeram o treinamento cognitivo por 45-60 minutos, três vezes por semana, durante 8 semanas (72 sessões no total) com pelo menos um dia de descanso entre cada sessão. Os participantes compareceram a 99,2% das sessões.

Grupo de Controle ou de Lista de Espera

Os participantes do grupo de controle foram informados de que estavam em uma lista de espera para um estudo futuro, sem saber da existência do grupo experimental. Participaram de uma sessão inicial de educação em saúde destacando os benefícios do exercício físico. Para manter o interesse e adesão ao experimento, a pesquisa foi feita por telefone, e perguntaram se eles se exercitavam, embora não recebessem nenhum tratamento de casa.

Variáveis avaliadas:

A pessoa que realizou as avaliações prévias e após oito semanas de tratamento cognitivo, não sabia a que grupo cada participante pertencia. A velocidade da marcha foi medida usando uma porta computadorizada (GAITRite). Pediu-se a todos os participantes que caminhassem em um tapete com sapatos confortáveis ​​e em um corredor silencioso e bem iluminado.

Outras variáveis:

  • No final do tratamento de oito semanas, o MMSE foi aplicado novamente.
  • No grupo experimental, a velocidade de processamento também foi avaliada para medir o efeito de aprendizagem e a transferência dos processos cognitivos treinados.
  • Os autorrelatos dos participantes sobre a presença de doenças relevantes foram utilizados para calcular uma taxa de morbilidade.
  • Por fim, todos os participantes receberam um questionário de atividade física para quantificar a quantidade de tempo que realizaram exercícios moderados durante a última semana.

Análise:

  • Todas as análises foram realizadas usando o SAS 9.1.
  • Para comparar as características demográficas e outras informações de linha de base entre os dois grupos e dentro de cada grupo, foram utilizadas estatísticas descritivas.
  • As diferenças entre as médias da velocidade da marcha antes e após o tratamento, tanto na marcha normal quanto na fala e marcha simultaneamente, foram testadas usando modelos lineares mistos.
  • Um modelo linear misto também foi usado para comparar as mudanças na velocidade de processamento do grupo experimental após o tratamento.
  • Todos os modelos foram ajustados para idade e sexo.

Resultados e Conclusões

Os resultados do estudo indicaram que a velocidade da marcha dos participantes do grupo experimental (com treinamento cognitivo) em ambas as condições (caminhada normal e caminhada durante a fala) foi maior depois do tratamento do que na avaliação inicial. Além disso, a velocidade da marcha foi maior nos participantes do grupo experimental do que no grupo controle.

Portanto, é possível afirmar que o treinamento cognitivo de CogniFit pode melhorar a mobilidade em idosos sedentários . Isso abre uma porta de tratamento muito importante para reduzir os problemas de mobilidade em idosos. Esse tipo de tratamento poderia ajudar a prevenir problemas de mobilidade, evitando a deterioração da qualidade de vida dos idosos que não conseguem realizar programas de prevenção por meio de exercícios físicos.

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail