Escolha sua plataforma e compre
Experimente grátis por um mês com 10 licenças.
Escolha sua plataforma
Cadastre-se
loading

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

corporativelanding_Test_depresion_social_picture
  • Avaliação cognitiva para tratar a depressão

  • Explora as áreas cerebrais que possam estar afetadas por depressão

  • Avalia e analisa possíveis alterações cognitivas

loading

A bateria computadorizada de Cognift para tratar a depressão é uma avaliação completa para detectar possíveis sintomas da depressão. Ela permite o profissional realizar uma análise exaustiva do nível cognitivo do paciente e confirmar ou descartar a possibilidade de existir um quadro de depressão.

O profissional será capaz de usar os resultados obtidos da avaliação para indicar o estado mental do paciente. O relatório exibirá o nível de declínio em cada habilidade cognitiva avaliada, mediante tabelas e gráficos simples.

Na avaliação para tratar a depressão, são analisadas várias habilidades cognitivas diferentes. Essas tarefas medirão as diferentes capacidades cognitivas que possam estar afetadas pela depressão.

  • Área da memória: Memória de curto prazo e memória operacional.
  • Área da percepção: Percepção espacial e percepção visual.
  • Área da atenção:Foco, atualização e inibição.
  • Área da coordenação: Coordenação óculo-manual e tempo de resposta.
  • Área do raciocínio: Planejamento, velocidade de processamento e alteração.

Bateria de exercícios e testes para realizar uma avaliação cognitiva em pessoas com depressão

Teste de velocidade REST-HECOOR

Teste de concentração VISMEM-PLAN

Teste de sincronização UPDA-SHIF

Teste de identificação COM-NAM

Teste de sequência WOM-ASM

Teste de reconhecimento WOM-REST

Teste de processamento REST-INH

Teste de simultaneidade DIAT-SHIF

Processo de avaliação

  • Duração: Para completar a bateria são necessários entre 15 e 20 minutos.
  • Resultado: Computadorizado.
  • Público: Crianças maiores de 6 anos e adultos.

Ambientes neuropsicológicos analisados e sua relação com a depressão

Documentação científica: Bateria de testes validada

A avaliação cognitiva para tratar a depressão tem por base os estudos mais recentes, usando informações valiosas para criar a base da avaliação.

A bateria de testes para tratar a depressão inclui tarefas que analisam um total de 12 habilidades cognitivas. De acordo com os estudos recentes, essas são as habilidades cognitivas mais afetadas pela depressão. Todas elas passaram por um estrito controle de validação científica. A avaliação obteve resultados muito satisfatórios.

O conjunto de habilidades cognitivas é analisado através dessa avaliação e dividido em diferentes partes. As áreas a seguir são as mais afetadas pela depressão:

MEMÓRIA: Quando você tem depressão, a amígdala localizada nos lobos temporais do cérebro é afetada. Ela é responsável por consolidar as informações.

Memória de curto prazo e depressão

A incapacidade para recuperar informações sobre acontecimentos recentes é um indício de perda de memória de curto prazo, muito comum em pessoas que sofrem de depressão. Você poderá ver os problemas com a memória de curto prazo relacionados às disfunções neurobiológicas como a depressão.

Memória operacional e depressão

A memória operacional é útil para a vida cotidiana. É importante ter a capacidade de manter uma conversação, lembrar do enredo de um livro, resolver problemas, etc. Foi demonstrado que as pessoas com depressão têm dificuldades para realizar essas atividades, porque sua capacidade de concentração e planejamento são baixas.

ATENÇÃO: A maioria das pessoas com depressão têm dificuldade para prestar atenção. Uma das razões mais importantes da falta e atenção e da fatiga é a desilusão e a perda de interesse pelo que acontece no entorno.

Foco e depressão

A falta de atenção ou concentração pode causar outros problemas negativos que podem afetar outros aspectos da vida de uma pessoa. Esses problemas podem estar relacionados ao trabalho ou associados à família ou a um relacionamento. Quando uma pessoa tem depressão, é comum observar a falta de interesse nessas áreas, causando uma falta de concentração e evitando que possa levar uma vida normal.

Atualização e depressão

A atualização é um processo caracterizado por sua natureza flexível. Ela representa uma de nossas funções executivas e nos ajuda a planejar as alterações. A depressão faz esses processos ser inflexíveis. A perguiça, a indisposição, o desinteresse e a falta de planejamento acentuam a falta de atualização.

Inibição e depressão

A inibição é a habilidade para ignorar estímulos irrelevantes ao realizar uma tarefa que requer atenção. As pessoas com depressão, como mencionado anterioremente, têm dificuldade para manter a atenção e a concentração em uma tarefa. A maior parte de sua energia e concentração é focada nos pensamentos negativos, deixando pouco espaço para a inibição. As pessoas com depressão vão inibir de forma incorreta os estímulos do entorno, focando a atenção em algo que reafirma seu estado emocional.

PERCEPÇÃO: As pessoas com depressão criam uma percepção distorcida delas mesmas e de seu entorno. A distorção é causada pelo estado emocional, que faz a percepção ser inclinada de acordo com o estado atual da pessoa.

Percepção espacial e depressão

A percepção espacial é afetada pela depressão. Uma pessoa com depressão possuirá um estado emocional inclinado, afetando seu consciente. A ideia da realidade será distorcida através dos pensamentos negativos recorrentes.

Percepção visual e depressão

As pessoas com depressão têm tendência a perceber as imagens por partes. Isso implica que a sua visão é afetada por pensamentos negativos. Um cérebro depressivo não interpreta as imagens em conjunto, mas organiza e interpreta elas de acodro com o estado emocional da pessoa.

COORDENAÇÃO: Os movimentos são mais lentos e a coordenação é mais difícil. Isso causa um atraso psicomotor, fazendo que a coordenação seja mais vulnerável.

Coordenação óculo-manual e depressão

Existe um claro declínio na velocidade de reação, que causa um atrado psicomotor. Os movimentos e a velocidade com a que pensamos e falamos são atrasados. Avaliar os movimentos e a coordenação óculo-manual pode proporcionar sugestões para o estado atual do usuário.

Tempo de resposta e depressão

O tempo necessário para responder a um simples estímulo concorda com a velocidade de processamento. Se uma pessoa possui uma velocidade de processamento lenta, o tempo de resposta será maior. Portanto, ambas habilidades serão afetadas ao completar uma ação, seja simpels ou complexa. Em outras palavras, a tempo de reação e a velocidade de processamento serão lentos.

RACIOCÍNIO: Existem três maneiras de pensar ou raciocinar quando uma pessoa tem depressão. Algumas pessoas podem sofrer de distorções cognitivas. Em outras palavras, não processam corretamente as informações. O raciocínio é uma das bases do pensamento negativo.

Planejamento e depressão

O planejamento é a habilidade que nos permite organizar nosso tempo. Ajuda a estabelecer uma meta ou objetivo através de uma série de pequenas etapas. A habilidade é afetada pela depressão, alterando a habilidade para tomar decisões, fazer processos mentais e concluir tarefas antecipadamente.

Velocidade de processamento e depressão

É a habilidade para processar informações externas. A velocidade de processamento ajuda a completar tarefas mais fluentemente. Por isso, quanto melhor for a velocidade de processamente, menor será o tempo de resposta. As duas habiliaddes são afetadas pela depressão.

Alteração e depressão

As pessoas com depressão, como mencionamos anteriormente, possuem uma velocidade de processamento retardada. Isso provoca um retardo na habilidade para alterar o plano das ações e pensamentos. Nesse caso, a capacidade para fazer alterações estará estreitamente ligada à velocidade de processamento e ao tempo de resposta.

Documentação científica

O objetivo da beteria de avaliação cognitiva para tratar a depressão é analisar o estado cognitivo do paciente. Ela proporciona ao profissional os meios para ajudar a detectar os potenciais sintomas de um transtorno depressivo. Graças aos resultados exibidos no relatório computadorizado, o profissional será capaz de observar os déficits em determinadas habilidades cognitivas e fazer um possível diagnóstico.

A avaliação cognitiva para tratar a depressão foi validada por um método científico baseado em provas. O programa criará um perfil cognitivo para cada usuário com a ajuda dos sofisticados algoritmos de CogniFit.

O sistema de CogniFit avaliará cada uma das habilidades cognitivas atribuídas e coletará os resultados obtidos de sua análise. Todos os resultados serão exibidos no formato de gráficos e tabelas, para que o profissional possa interpretar facilmente um possível diagnóstico.

Referências

Preiss M, Shatil E, Cermakova R, Cimermannova D, Flesher I (2013) Personalized cognitive training in unipolar and bipolar disorder: a study of cognitive functioning. Frontiers in Human Neuroscience doi: 10.3389/fnhum.2013.00108.

Korczyn AD, Peretz C, Aharonson V, et al. - Computer based cognitive training with CogniFit improved cognitive performance above the effect of classic computer games: prospective, randomized, double blind intervention study in the elderly. Alzheimer's & Dementia: The Journal of the Alzheimer's Association 2007; 3(3):S171.

Evelyn Shatil, Jaroslava Mikulecká, Francesco Bellotti, Vladimír Burěs - Novel Television-Based Cognitive Training Improves Working Memory and Executive Function - PLoS ONE July 03, 2014. 10.1371/journal.pone.0101472

Peretz C, Korczyn AD, Shatil E, Aharonson V, Birnboim S, Giladi N. - Computer-Based, Personalized Cognitive Training versus Classical Computer Games: A Randomized Double-Blind Prospective Trial of Cognitive Stimulation - Neuroepidemiology 2011; 36:91-9.

Haimov I, Shatil E (2013) Cognitive Training Improves Sleep Quality and Cognitive Function among Older Adults with Insomnia. PLoS ONE 8(4): e61390. doi:10.1371/journal.pone.0061390

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail