Escolha sua plataforma e compre
Experimente grátis por um mês com 10 licenças.
Escolha sua plataforma
Cadastre-se
loading

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

corporativelanding_Test_discalculia_social_picture
  • Avaliação neuropsicológica para tratar a discalculia

  • Explore as áreas do cérebro mais associadas à discalculia.

  • Avalie a possível existência de déficits cognitivos

loading

A bateria de avaliação cognitiva para tratar a discalculia (CAB-DC) foi criada por um grupo de especialistas em psicologia e neuropsicologia para a detecção e diagnóstico do transtorno.

A ferramenta proporciona uma série de exercícios que avaliam o nível cognitivo de cada usuário. Foi desenhada para ajudar a todos os profissionais da saúde a detectar os sintomas da discalculia. O profissionai vai obter um relatório completo do perfil cognitivo do paciente para detectar possíveis déficits cognitivos.

Quando o usuário concluir a avaliação, o programa de CogniFit usará algoritmos sofisticados para coletar os resultados e criar um relatório computadorizado. O relatório proporcionará dados de cada habilidade cognitiva analisada, através de gráficos e tabelas, para faciliar sua compreensão para o profissional e o usuário e ver quais habilidades são as mais afetadas pelo transtorno de aprendizagem.

A avaliação cognitiva para tratar a discalculia está composta por vários blocos de tarefas. Cada uma avaliará duas ou mais habilidades cognitivas que podem estar afetadas pela discalculia.

  • Área da memória: Memória operacional e memória de curto prazo.
  • Área da atenção:Foco, atenção dividida e nomeação.
  • Área da percepção: Reconhecimento.
  • Área da coordenação: Tempo de resposta.
  • Área do raciocínio: Planejamento e velocidade de processamento.

Bateria de exercícios e testes para a avaliação cognitiva da discalculia

Teste de concentração VISMEM-PLAN

Teste de sequência WOM-ASM

Teste de identificação COM-NAM

Teste de reconhecimento WOM-REST

Teste de velocidade REST-HECOOR

Teste de processamento REST-INH

Teste de coordenação HECOOR

Teste de decodificação VIPER-NAM

Teste de investigação REST-COM

Processo de avaliação

  • Duração: Para completar a bateria são necessários entre 15 e 20 minutos.
  • Resultado: Computadorizado.
  • Público: Crianças maiores de 6 anos e adultos.

Áreas neuropsicológicas analisadas e suas relações com a discalculia

Documentação científica: Bateria de testes validada

A bateria neuropsicológica para tratar a discalculia foi criada mediante os estudos mais recentes sobre o transtorno.

Através de diferentes estudos, o programa neurocognitivo de CogniFit obteve resultados satisfatórios. A validação foi realizada por uma clínica médica com o objetivo de reunir dados. Os resultados foram excelentes, com pontuações entre .7 e .8.

Todas as patologias avaliadas por CogniFit estão associadas com um grupo de habilidades cognitivas que podem estar afetadas, dependendo do paciente/usuário. A avaliação analisará as habilidades cognitivas que, de acordo com a literatura científica, são as mais afetadas por discalculia. Elas são as exibidas a seguir:

MEMÓRIA Alguma das áreas de um cérebro infantil com discalculia são diferentes das de uma criança sem o transtorno. Elas estão diretamente relacionadas à memória e ao armazenamento de informações sobre matemáticas. Por isso, é muito importante exercitar as áreas da memória.

Memória operacional e discalculia:

A avaliação da memória operacional proporcionará ao profissional informações sobre um possível diagnóstico. A memória operacional é importante para ler conceitos matemáticos e aprender como aplicar eles a uma ideia abstrata. Uma memória operacional vulnerável causa dificuldades para seguir direções, fazer cálculos mentais e incluso para a formação de uma memória completa.

Memória de curto prazo e discalculia:

As crianças com discalculia têm dificuldade para resolver problemas matemáticos, tais como a multiplicação, para o que é necessário lembrar das tabuadas de multiplicação. Essa é uma das razões pela qual a memória de curto prazo é analisada na avaliação.

ATENÇÃO: Existem vários estudos que confirmam que a discalculia está associada com o TDAH em 32% dos casos. Avaliar a atenção é importante porque é uma das áreas mais importantes usadas durante a aprendizagem de novos conceitos matemáticos.

Foco e discalculia:

Para que uma criança com discalculia possa aprender adequadamente como fazer cálculos matemáticos, ela precisa desenvolver suas habildiades de concentração e foco. A concentração ou foco é a habilidade de uma criança para prestar atenção a um estímulo sem se distrair. Será importante para uma excelente adquisição dos conceitos matemáticos.

Atenção dividida e discalculia:

As crianças com discalculia têm dificuldade para prestar uma atenção completa a algo relacionado às matemáticas. Quando a criança perde a motivação para aprender, sua atenção tende a ser esporádica e resulta difícil para ela focar apenas em uma tarefa.

Nomeação e discalculia:

A capacidade para reconhecer símbolos matemáticos está vinculada à capacidade para nomear e descrever suas funções. Avaliar a capacidade do reconhecimento possibilita ao profissional descartar um possível diagnóstico.

PERCEPÇÃO: As crianças com discalculia têm dificuldades com a percepção visual e visual-motora, nas áreas social e emocional e também na área do reconhecimento.

Reconhecimento e discalculia:

As crianças com discalculia tendem a ter dificuldade para reconhecer e interpretar as diferentes expressões faciais e a comunicação não verbal. Uma vez que a criança é capaz de aprender a linguagem matemática, ela tem dificuldade para reconhecer e identificar seu significado.

COORDENAÇÃO: A coordenação, especialmente a coordenação motora, se torna difícil e torpe em crianças com discalculia. O problema começa com a conexão entre o cérebro de os moviementos. Por isso, a ação de escrever resulta difícil para as crianças com esse transtorno de aprendizagem.

Tempo de resposta e discalculia:

As crianças com discalculia têm dificuldade para processar informações externas e responder a essas informações. Isso signitica que precisam de mais tempo para processar as informações vistas ou ouvidas.

RACIOCÍNIO: As crianças com discalculia devem seguir um processo de pensamento alternativo do que outras crianças para entender a mesma informação. Em outras palavras, a maneira que elas percebem o mundo, especificamente o mundo matemático, é diferente dos outros.

Planejamento e discalculia:

As crianças com discalculia têm dificuldade para entender e resolver problemas matemáticos. O planejamento e a motivação também será uma dificuldade para elas. Para fazer os deveres, é necesario planejar e seguir uma rotina, o que implica a concentração e a memória ao mesmo tempo.

Velocidade de processamento e discalculia:

A velocidade de resposta e processamento estão estreitamente associadas ao recebimento de informações externas. Quando alguém faz uma pergunta, a pessoa deve processar primeiro o que a outra pessoa quer dizer, e depois responder adequadamente. Esse processo para uma criança com discalculia será diferente e mais difícil do que para uma criança sem o transtorno.

Documentação científica

A parte mais importante da avaliação de CogniFit para tratar a discalculia é a criação de estímulos visuais e auditivos, para entreter e simplificar o processo para o usuário.

Além da avaliação para tratar a discalculia, CogniFit tem um programa cognitivo de reabilitação que complementa a terapia cognitiva-comportamental. A ferramenta está composta por um conjunto de programas de treinamento adaptados às características de cada usuário, e treina as habilidades cognitivas mais afetadas por discalculia.

Cada tarefa foi preparada para avaliar especificamente uma ou várias habilidades cognitivas. Quando o usuário completar a avaliação, o programa analisa os resultados e cria um perfil cognitivo completo. Com esse relatório, o usuário ou profissional poderá ver que habilidades cognitivas são mais vulneráveis e precisam de mais treinamento.

Também temos uma equipe profissional em CogniFit disponível para fazer consultas ou para recomendar qual é a melhor avaliação para cada pessoa.

Há muitas vantagens para experimentar uma das avaliações de CogniFit. Nós estudamos que habilidades são as mais afetadas em cada patologia e trabalhamos especificamente para medir e avaliar as que podem estar afetadas. A avaliação está baseada em um modelo cognitivo para identificar a presença dos sintomas da discalculia. É um método fundamentado em dados científicos e validados por centenas de matérias.

O objetivo principal dessa avaliação é proporcionar informações úteis para o usuário e o profissional, usando gráficos e tabelas que permitirá o profissional identificar um possível diagnóstico.

Referências

Horowitz-Kraus T, Breznitz Z. - Can the error detection mechanism benefit from training the working memory? A comparison between dyslexics and controls- an ERP study - PLoS ONE 2009; 4:7141.

Peretz C, Korczyn AD, Shatil E, Aharonson V, Birnboim S, Giladi N. - Computer-Based, Personalized Cognitive Training versus Classical Computer Games: A Randomized Double-Blind Prospective Trial of Cognitive Stimulation - Neuroepidemiology 2011; 36:91-9.

Thompson HJ, Demiris G, Rue T, Shatil E, Wilamowska K, Zaslavsky O, Reeder B. - Telemedicine Journal and E-health Date and Volume: 2011 Dec;17(10):794-800. Epub 2011 Oct 19.

Preiss M, Shatil E, Cermakova R, Cimermannova D, Flesher I (2013) Personalized cognitive training in unipolar and bipolar disorder: a study of cognitive functioning. Frontiers in Human Neuroscience doi: 10.3389/fnhum.2013.00108.

Conners, C. K. (1989). Manual for Conners’ rating scales. North Tonawanda, NY: Multi-Health Systems.

Wechsler, D. (1945). A standardized memory scale for clinical use. The Journal of Psychology: Interdisciplinary and Applied, 19(1), 87-95

ombaugh, T. N. (1996). Test of memory malingering: TOMM. North Tonawanda, NY: Multi-Health Systems.

Stroop, J. R (1935). Studies of interference in serial verbal reactions. Journal of experimental psychology, 18(6), 643.

Hooper, E. H. (1983). Hooper visual organization test (VOT).

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail