Escolha sua plataforma e compre
Tente um mês grátis de carga com 10 licenças.
Para que vai servir a conta?
Cadastre-se
loading

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

corporativelanding_Test_discalculia_social_picture

Teste Discalculia

Conjunto de testes de Avaliação Neuropsicológica Online. Instrumentos de ajuda ao diagnóstico da Discalculia (CAB-DC)

  • Teste de avaliação neuropsicológica para a Discalculia.

  • Explora as áreas cerebrais mais associadas com a Discalculia.

  • Avalia a presença de possíveis défices cognitivos.

loading

O Conjunto de testes computorizados de Avaliação Cognitiva da Discalculia ou Cognitive Assessment Battery for Dyscalculia (CAB-DC) da CogniFit, foi desenhada para assistir os especialistas nas dificuldades de aprendizagem no exercício da detecção, diagnóstico e intervenção da discalculia.

Este instrumento de valoração neuropsicológica consta de múltiplas tarefas computorizadas de avaliação, que permitem realizar uma completa avaliação cognitiva do paciente. Os dados recolhidos serão apresentados num relatório detalhado que permite identificar os défices ou alterações cognitivas associadas à discalculia. Esta informação é de elevado valor para o especialista, porque constitui a base para realizar um diagnóstico de intervenção adequado e monitorizar a reabilitação do paciente.

A avaliação cognitiva para a discalculia da CogniFit consta de vários grupos de tarefas. Cada uma avaliará duas ou mais habilidades cognitivas que podem ser afectadas na discalculia.

  • Área da memória: Memória do trabalho e memória a curto prazo.
  • Área da atenção: Focagem, atenção dividida e denominação.
  • Área da percepção: Reconhecimento.
  • Área da coordenação: Tempo de resposta.
  • Área do raciocínio: Planificação e velocidade do processamento.

Conjunto de tarefas, provas e testes para a valoração cognitiva da Discalculia

Teste de Concentração VISMEM-PLAN

Teste Sequencial WOM-ASM

Teste de Identificação COM-NAM

Teste de Reconhecimento WOM-REST

Teste de Celeridade REST-HECOOR

Teste de Processamento REST-INH

Teste de Coordenação HECOOR

Teste de Descodificação VIPER-NAM

Teste de Investigação REST-COM

Processo de avaliação

  • Duração: a realização dos testes não durará mais de 15 a 20 minutos.
  • Pontuação dos resultados: Automatizados.
  • Usuários aos quais se dirige: Crianças apartir dos 6 anos e adultos.

Âmbitos neuropsicológicos analisados e a sua relação com a Discalculia

Documentação científica: testes validados.

Os testes neuropsicológicos para a discalculia, foram criados apartir dos dados e investigações mais recentes sobre a discalculia.

Apartir das investigações, comprovou-se que as tarefas propostas para o programa neurocognitivo da discalculia da CogniFit, conseguiu resultados satisfatórios. Realizou-se a validação apartir de uma amostra clínica para obter os dados de fiabilidade e confiabilidade. Os resultados obtidos foram excelentes, com pontuações entre 7 e 8.

Cada uma das patologias com as que trabalha a CogniFit leva associado um grupo de habilidades cognitivas que podem ser afectadas segundo o paciente. Depois de analisar, em base aos nossos estudos e segundo a literatura científica, as habilidades cognitivas mais degradas na discalculia serão ao mesmo tempo as habilidades avaliadas neste conjunto de testes cognitivos, e serão as seguintes:

MEMÓRIA: Algumas das áreas do cérebro de uma criança com discalculia apresentam grossura e volume diferentes do que o cérebro de uma criança sem discalculia. Estas áreas estão correctamente relacionadas com a memória de dados matemáticos. Por isso, será importante trabalhar aquelas habilidades cognitivas da memória.

Memória de Trabalho e Discalculia:

Avaliar a memória do trabalho dará dados ao profissional sobre um possível diagnóstico. A memória do trabalho é importante no momento de aprender conceitos matemáticos e aprender a representá-los num plano abstracto. Isto provoca uma dificuldade para seguir as instruções, a aritmética mental lenta e inclusivé ter lembranças incompletas.

Memória a Curto Prazo e Discalculia:

As crianças com discalculia têm dificuldades no momento de realizar operações matemáticas, como as multiplicações. Será necessário recordar a tabuada para avaliar a memória a curto prazo.

ATENÇÃO: Existem estudos que confirmam que a discalculia está associada ao transtorno de défice de atenção num 32% dos casos. Avaliar a atenção será importante porque é uma das áreas mais destacadas no momento de aprender um novo conhecimento sobre a aritmética.

Focagem e Discalculia:

Para que uma criança com discalculia adquira uma boa aprendizagem das matemáticas, necessitará desenvolver a concentração ou a focagem. Este último consiste no tempo que a criança permanece atenta a um estímulo sem que se distraia. Será importante para uma óptima adquisição do conhecimento sobre as matemáticas.

Atenção Dividida e Discalculia:

A atenção no momento de aprender algo relacionado com as matemáticas é muito baixa em crianças com discalculia. Quando a motivação é baixa não entendem a informação e a atenção dispersa-se.

Denominação e Discalculia:

O reconhecimento dos simbolos está unido ao saber descrever ou denominar para que servem ou qual é a sua utilidade dentro da área da aritmética. Será por isso importante avaliar o nível que a criança adquere nesta habilidade cognitiva, para descartar um possível diagnóstico.

PERCEPÇÃO: Em crianças com discalculia foram observados problemas perceptivos relacionados com a percepção espacial, visomotora, dificuldades nas áreas emocional e social, assim como na área do reconhecimento.

Reconhecimento e Discalculia:

Na discalculia há problemas para reconhecer e interpretar expressões emocionais faciais e eventos não-verbais expressados por gestos ou movimentos. Quanto à matemática, quando aprendem a linguagem aritmética, acham que é muito difícil reconhecer e identificar o seu significado.

COORDENAÇÃO: A coordenação, especialmente motora, é de maneira geral um pouco desajeitada e perguiçosa em crianças com discalculia. O problema erradica na relação de conexão entre o cérebro e movimentos. Portanto, a escrita estará afectado em crianças com este problema.

Tempo de Resposta e Discalculia:

Há dificuldades em crianças com discalculia no momento de processar informações a partir do exterior e, claro, ao dar uma resposta. Isto significa que o tempo que demoram para processar a informação será superior nestes casos.

RACÍOCINIO: O processo que uma criança com discalculia faz para compreender e dar uma explicação para as coisas é diferente das outras crianças. Isto significa que a forma de compreender o mundo, ou seja, o mundo matemático, é regido por outros critérios.

Planificação e Discalculia:

Por ter dificuldade em compreender e realizar cálculos e operações matemáticas, a motivação e a planificação será difícil para estas crianças. O simples facto de realizar os trabalhos de casa envolve a boa planificação de uma tarefa e realizar uma rotina. Nisto estará implicada a concentração e a memória, ao mesmo tempo.

Velocidade de Processamento e Discalculia:

O tempo de resposta e velocidade de processamento estão ligados no momento de entender uma informação do exterior. Quando alguém faz uma pergunta, primeiro tem que processar o que nos quer dizer e, em seguida, dar uma resposta a essa pergunta. O processo que segue uma criança com discalculia será diferente e, portanto, mais deteriorado, do que o de uma criança sem este problema.

Documentação Científica

A característica mais importante das tarefas que são observadas na avaliação da CogniFit para discalculia é que estão criadas por estímulos visuais e auditivos . Isso ajuda o usuário a entender o exercício assim achar que é divertido.

Além da avaliação para a discalculia, a CogniFit tem outra ferramenta de reabilitação cognitiva , complementária a um tratamento cognitivo-comportamental. Esta ferramenta consiste num conjunto de exercícios que se adaptam às características do usuário e treinam as habilidades cognitivas mais prejudicadas na discalculia.

Cada uma das tarefas de avaliação está preparada para avaliar uma ou mais habilidades cognitivas de maneira específica. Quando o usuário executa essa avaliação, o programa da CogniFit avalia os resultados e faz um perfil cognitivo completo . Apartir de um relatório, o usuário/profissional, pode ver aquelas habilidades cognitivas mais deficientes e, portanto, deve treiná-las.

Por outro lado, está disponível para o usuário uma equipa profissional CogniFit para oferecer aconselhamento para recomendar a avaliação mais adequada para cada pessoa.

Há também várias vantagens em realizar a avaliação. Na CogniFit estudamos as habilidades que mais afectadas podem aparecer em cada patologia, e em particular para a discalculia. Isto significa que a avaliação é baseada num modelo cognitivo que pode identificar a presença de sintomas na discalculia. É um método baseado em evidências científicas e validado apartir de uma amostra de centenas de indíviduos.

O objectivo final desta avaliação será fornecer ao profissional e ao usuário a melhor informação quantitativa apresentada em forma de dados numéricos e visualizados em gráficos . Isto permitirá que o profissional identifique um possível diagnóstico.

Referências

Horowitz-T Kraus, Breznitz Z. - ¿Puede el mecanismo de detección de errores beneficiarse del entrenamiento de la memoria de trabajo? Una comparación entre los disléxicos y los sujetos de control - un estudio de ERP - PLoS ONE 2009; 4:7141

Peretz C, AD Korczyn, E Shatil, V Aharonson, Birnboim S, N. Giladi - Basado en un Programa Informático, Entrenamiento Cognitivo Personalizado versus Juegos de Ordenador Clásicos: Un Estudio Aleatorizado, Doble Ciego, Prospectivo de la Estimulación Cognitiva - Neuroepidemiología 2011; 36:91-9.

Thompson HJ, Demiris G, Rue T, Shatil E, Wilamowska K, Zaslavsky O, Reeder B. - Telemedicine Journal and E-health Date and Volume: 2011 Dec;17(10):794-800. Epub 2011 Oct 19.

Preiss M, Shatil E, Cermakova R, Cimermannova D, Flesher I (2013), el Entrenamiento Cognitivo Personalizado en el Trastorno Unipolar y Bipolar: un estudio del funcionamiento cognitivo. Frontiers in Human Neuroscience doi: 10.3389/fnhum.2013.00108.

Conners, C. K. (1989). Manual for Conners’ rating scales. North Tonawanda, NY: Multi-Health Systems.

Wechsler, D. (1945). A standardized memory scale for clinical use. The Journal of Psychology: Interdisciplinary and Applied, 19(1), 87-95

ombaugh, T. N. (1996). Test of memory malingering: TOMM. North Tonawanda, NY: Multi-Health Systems.

Stroop, J. R (1935). Studies of interference in serial verbal reactions. Journal of experimental psychology, 18(6), 643.

Hooper, E. H. (1983). Hooper visual organization test (VOT).

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail