Sobre Cookies nesta página web

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência online. Ao continuar a utilizar este site sem mudar as suas preferências de cookies, assumiremos que aceita o nosso uso das cookies. Para conseguir mais informação ou mudar as suas preferências de cookies, veja a nossa política de cookies.

Aceitar
Escolha sua plataforma e compre
Tente um mês grátis de carga com 10 licenças.
Para que vai servir a conta?
Bem-vindo à CogniFit! Bem-vindo à CogniFit para pesquisadores!

Registe o seu e-mail a seguir para começar a cuidar do seu cérebro.

Vai criar uma conta de gestão de pacientes. Esta conta destina-se a ajudar os profissionais de saúde (médicos, psicólogos...) a diagnosticar e intervir em distúrbios cognitivos.

Vai criar uma conta de pesquisa. Esta conta foi especialmente elaborada para auxiliar pesquisadores nos seus estudos nas áreas cognitivas.

Vai criar uma conta de gestão de alunos. Esta conta foi pensada para ajudar a diagnosticar e intervir em distúrbios cognitivos em crianças e jovens estudantes.

Vai criar uma conta familiar. Esta conta foi pensada para dar acesso a avaliações e treino CogniFit para os seus familiares.

Vai criar uma conta pessoal. Esse tipo de conta foi desenhado para ajudá-lo a testar e treinar as suas habilidades cognitivas.

Vai criar uma conta de gestão de pacientes. Esta conta destina-se a ajudar os profissionais de saúde (médicos, psicólogos...) a diagnosticar e intervir em distúrbios cognitivos.

Vai criar uma conta familiar. Esta conta foi pensada para dar acesso a avaliações e treino CogniFit para os seus familiares.

Vai criar uma conta de pesquisa. Esta conta foi especialmente elaborada para auxiliar pesquisadores nos seus estudos nas áreas cognitivas.

Vai criar uma conta de gestão de alunos. Esta conta foi pensada para ajudar a diagnosticar e intervir em distúrbios cognitivos em crianças e jovens estudantes.

loading

Para o seu próprio uso (a partir dos 16 anos). As crianças menores de 16 anos podem usar a plataforma CogniFit para Famílias.

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

corporativelanding_cognicion_social_picture
Esta página é apenas informativa. Não vendemos nenhum producto que trate doenças. Os produtos da CogniFit para o tratamento de doenças estão actualmente em validação. Se estiver interessado, visite Plataforma de pesquisa CogniFit
  • Aceda a exercícios clínicos de avaliação cognitiva

  • Estimule a sua plasticidade cerebral e cognição

  • Ajude a potenciar o seu estados cognitivo

Começar Agora
loading

O que é a cognição? Significado e definição

A definição mais aceite de cognição é a capacidade que os seres vivos têm de processar informações a partir da percepção (estímulos que nos chegam do mundo exterior através dos sentidos), o conhecimento adquirido com a experiência e as nossas características subjetivas que possuímos. permitir integrar todas essas informações para valorizar e interpretar o mundo. A palavra cognição vem do latim "cognoscere", que significa conhecimento. Portanto, quando falamos sobre o cognitivo, geralmente estamos a referir-nos a tudo que pertence ou está relacionado ao conhecimento, isto é, o acúmulo de informações que adquirimos graças à aprendizagem ou à experiência

A cognição é a habilidade que temos para assimilar e processar os dados que nos chegam de diferentes vias (percepção, experiência, crenças...) para convertê-los em conhecimento. A cognição engloba diferentes processos cognitivos como a aprendizagem, a atenção, a memória, a linguagem, o raciocínio, a tomada de decisões, etc... que formam parte do desenvolvimento intelectual e da experiência.

Diferentes disciplinas abordaram o estudo da cognição, da neurologia, da psicologia, da antropologia, da filosofia e até das ciências da informação. Mas, foi a psicologia cognitiva a que começou a estudar como o processamento da informação influi na conducta e que relação tinham os diferentes processos mentais na aquisição do conhecimento. A psicologia cognitiva surgiu no final do anos 50 como oposição ao conductismo imperante da época. Autores como Piaget e Vigotsky revolucionaram o panorama científico graças às suas teorias sobre o desenvolvimento e aprendizagem cognitivo, que ainda hoje continuam vigentes. Apartir da década de 60, o interesse pela cognição e as capacidades cognitivas aumentou exponencialmente e o número de investigações que se geraram permitiu aumentar o conhecimento que temos sobre estes processos.

Actualmente, os avanços na neuro-imagem permitiu-nos adicionar um conhecimento fisiológico e neuro-anatómico muito importante para a compreensão dos processos mentais e como estes influem nas nossas conductas e emoções.

O que é a cognição?

Os processos cognitivos

O que são os processos cognitivos? Podemos entender os processos cognitivos como os procedimentos que utilizamos para incorporar os novos conhecimentos e tomar decisões em função disso. Estes processos intervêm em várias funções cognitivas: a percepção, a atenção, a memória, o raciocínio... Todas estas funções cognitivas trabalham conjuntamente para integrar o conhecimento e criar uma interpretação do mundo que nos rodeia.

  • A PERCEPÇÃO COMO PROCESSO COGNITIVO: A percepção cognitiva permite-nos organizar e compreender o mundo através dos estímulos que recebemos com os sentidos. Podemos receber informação dos cinco sentidos clássicos como a visão, a audição, o paladar, o olfato e o tacto, mas também de outros não tão conhecidos como a propriocepção (é o sentido que informa sobre a posição corporal que nos permite que tenhamos um esquema corporal e saibamos que posição ocupamos no espaço) ou a interocepção (que é a percepção de como estão os órgãos do nosso corpo, e é o que nos permite saber quando temos sede ou fome). Uma vez recebidos, o nosso cérebro integra toda esta informação, criando um novo conhecimento.
  • A ATENÇÃO COMO PROCESSO COGNITIVO: A atenção é um processo cognitivo que nos permite concentrar-nos num estímulo ou numa actividade, para depois poder processá-lo mais profundamente na consciência. A atenção é uma função cognitiva fundamental para o desenvolvimento da vida diária e utiliza-se na maioria das tarefas que realizamos. Também se considera como o mecanismo que controla e regula o resto de processos cognitivos: desde a percepção (necessitamos a atenção para estar atentos aos estímulos que nos chegam através dos sentidos) até à aprendizagem ou ao raciocínio complexo.
  • A MEMÓRIA COMO PROCESSO COGNITIVO: A memória é a função cognitiva que permite codificar, armazenar e recuperar a informação do passado. A memória é um processo básico para a aprendizagem e é a que nos permite criar um sentido de identidade. Há muitos tipos e classificações da memória, podemos falar da memória a curto prazo, que é a capacidade de manter temporariamente a informação na mente (recordar um número de telefone na mente até que conseguimos anotá-lo num papel), e de memória a longo prazo que são todas aquelas recordações ou conhecimentos que guardamos durante muito mais tempo. Esta memória pode dividir-se em memória declarativa, que inclui tanto conhecimentos adquiridos através da linguagem e da educação (por exemplo, saber se a ditadura terminou em 1974), como os adquiridos através de experiências pessoais e vivências (recordar o que cozinhava a minha avó); ou memória procedimental, que se refere à aprendizagem de rotinas (por exemplo, aprender a conduzir ou andar de bicicleta), memória auditiva, memória contextual, denominação, reconhecimento.
  • O PENSAMENTO COMO PROCESSO COGNITIVO: O pensamento é fundamental em todo o processo cognitivo. Permite integrar toda a informação recebida e estabelecer relações entre os dados que a compõem. Para isso usa o raciocínio, a sintese e a resolução de problemas, quer dizer, das funções executivas.
  • A LINGUAGEM COMO PROCESSO COGNITIVO: A linguagem é a capacidade que temos para expressar pensamentos e sentimentos através da palavra. É a ferramenta que usamos para comunicar-nos e para organizar e transmitir a informação que temos sobre nós e sobre o mundo. A linguagem e o pensamento desenvolvem-se de forma paralela e estão intimamente relacionados, influindo-se reciprocamente.
  • A APRENDIZAGEM COMO PROCESSO COGNITIVO: É o processo cognitivo através do qual incorporamos nova informação ao nosso conhecimento prévio. Na aprendizagem incluimos coisas tão diferentes como a aprendizagem de conductas ou hábitos como lavar os dentes ou aprender a andar, como todos os conhecimentos que vamos adquirindo com a socialização e a escola. Piaget e outros autores falaram da aprendizagem cognitiva como o processo em que a informação entra no sistema cognitivo e altera-o.
Os processos cognitivos

Os processos cognitivos podem ser naturais ou artificiais, conscientes ou inconscientes, mas geralmente são muito rápidos e ocorrem constantemente e quase sem que nos demos conta. Por exemplo, quando vamos pela rua e vemos um semáforo em vermelho iniciamos um processo cognitivo que nos levará a tomar uma decisão (cruzar ou não cruzar). O primeiro que fazemos é centrar a nossa atenção no semáforo, através da vista veremos que está em vermelho. Numa questão de microsegundos recuperamos da nossa memória que quando o semáforo está vermelho, não se deve cruzar, mas também recordamos que às vezes, se não passam carros, podemos atravessar. Aqui provavelmente optemos pela nossa primeira decisão: ou esperamos até que o semáforo fique verde, ou olhamos para um lado e para o outro da rua (dirigir de novo a nossa atenção) para ver se passam carros ou se é seguro cruzar.

Pode-se melhorar a nossa cognição?

Pode-se melhorar a nossa cognição? Como? De seguida detalhamos alguma ferramenta e estratégia orientada a melhorar a sua cognição e o rendimento cognitivo:

O PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DA COGNIFIT: foi desenhado por uma equipa de neurologistas e psicólogos cognitivos que estudam os processos da plasticidade sináptica e neurogénese. São apenas necessários 15 minutos por dia (2-3 dias por semana) para estimular as capacidades e processos cognitivos, este programa está acessível via online, e está orientado para os particulares, investigadores e profissionais do sector da saúde e escolas.

Os exercícios clínicos de estimulação cognitiva da CogniFit permitem avaliar de forma precisa +20 funções cognitivas fundamentais, perfeitamente definidas e submetidas a um controlo de medida objectivo que proporciona resultados normalizados na idade e critérios demográficos com base em milhares de sujeitos.

Os diferentes exercícios interactivos, apresentam-se como divertidos jogos mentais que pode praticar através de um computador. Depois de cada sessão, a CogniFit apresentará um gráfico detalhado com a evolução do estado cognitivo do utilizador. Além disso, permite comparar o rendimento cognitivo com o resto dos utilizadores.

Se algo nos ensinou a neurociência e o estudo da plasticidade cerebral é que quanto mais usamos um circuito neuronal, mais forte se torna. O programa de estimulação cognitiva da CogniFit está orientado a explorar os nossos processos cognitivos. Uma vez que entende qual é a situação cognitiva particular de cada indivíduo, oferece a cada usuário um regime de exercícios cognitivos personalizados. Concentrar-nos nas tarefas que mais nos custam e afrontar continuamente novos desafios cognitivos, fará que criemos novas ligações neuronais que se irão reforçando e serão cada vez mais fortes.

Podemos melhorar a nossa congnição?

REDUZIR O NOSSO NÍVEL DE STRESS: também pode ajudar a melhorar a nossa cognição. O stress aumenta os níveis de cortisol, que ataca a mielina dos axões, e que impede uma transmissão da informação eficaz. Reduz o stress, melhora a ligação sináptica. Manter uma actitude positiva faz com que sejamos mais criativos no momento de solucionar problemas e provavelmente vai fazer com que nos sintamos cognitivamente mais flexíveis.

A MEDITAÇÃO: também pode melhorar a nossa cognição. Nos últimos anos tem crescido o número de investigações que estudam os efeitos da meditação nos processos cognitivos. A meditação requere concentração e atenção consciente, que como referido anteriormente, têm uma grande capacidade de criar novos circuitos funcionais. A investigação parece reforçar esta ideia e relacionou-se a meditação com melhorias na atenção, na memória, na função executiva, na velocidade do processamento e cognição geral.

FAZER EXERCÍCIO FÍSICO: Fazer exercício físico também melhora a nossa cognição. Não faz falta que sejam actividades muito intensas, caminhar 45 minutos, 3 vezes por semana parece que melhora a memória e o raciocínio (funções executivas) e a práctica de Tai-Chi ajuda a melhorar o funcionamento executivo.

MUDAR DE NOME

Referências: Shatil E (2013). O treino cognitivo e a actividade física combinados melhoram as capacidades cognitivas mais que cada um por separado? Um ensaio controlado de quatro condições aleatórias entre adultos saudáveis. Front. Aging Neurosci. 5:8. doi: 10.3389/fnagi.2013.00008. • Korczyn dC, Peretz C, Aharonson V, et al. - O programa informático de treino cognitivo CogniFit produz uma melhoria maior no rendimento cognitivo que os clássicos jogos de computador: Estudo prospectivo, aleatório, duplo cegos de intervenção nos idosos. Alzheimer e Demência: O diário da Associação de Alzheimer de 2007, tres (3): S171. • Shatil E, Korczyn dC, Peretzc C, et al. - Melhorar o rendimento cognitivo em pacientes idosos com treino cognitivo computorizado - O Alzheimer e a Demência: O diário da Associação de Alzheimer de 2008, cuatro (4): T492. • Verghese J, J Mahoney, Ambrosio AF, Wang C, Holtzer R. - Efeito da reabilitação cognitiva na marcha em pessoas idosas sedentárias - J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2010 Dec;65(12):1338-43. • Evelyn Shatil, Jaroslava Mikulecká, Francesco Bellotti, Vladimír Burěs - Novel Television-Based Cognitive Training Improves Working Memory and Executive Function - PLoS ONE July 03, 2014. 10.1371/journal.pone.0101472. • Gard T, Hölzel BK, Lazar SW. The potential effects of meditation on age-related cognitive decline: a systematic review. Ann N Y Acad Sci. 2014 Jan; 1307:89-103. doi: 10.1111/nyas.12348. 2. • Voss MW et al. Plasticity of brain networks in a randomized intervention trial of exercise training in older adults. Front Aging Neurosci. 2010 Aug 26;2. pii: 32. doi: 10.3389/fnagi.2010.00032.

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail