Escolha sua plataforma e compre
Tente um mês grátis de carga com 10 licenças.
Para que vai servir a conta?
Cadastre-se
loading

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

A relação entre a mente e o cérebro

A relação entre a mente e o cérebro

As conceitualizações e teorias da mente diferem em função do tempo cronológico, das crenças religiosas e das filosofias antigas e modernas. As primeiras explicações teóricas da mente (Platão e Aristóteles e, mais tarde, os filósofos medievais) associavam a mente com a alma, a considerando imortal e divina. Na maioria dos casos, incluindo pontos de vista modernos, colocam a mente, o pensamento e a consciência no contexto da experiência e do entorno. Que a mente é geralmente considerada uma propriedade de si mesmo é evidente em algumas expressões populares como "abra a sua mente", "tire da sua mente" ou "minha mente sabe". A memória, a atenção, a lógica, a intuição, a resolução de problemas, a capacidade para se comunicar e, dependendo da teoria, a emoção, depressão e os processos inconscientes são algumas das principais características da mente.

A relação da mente e o cérebro é evidente em todos os debates sobre a mente, e mais recentemente no discurso psiquiátrico e neurocientífico. A ciência cognitiva e a estão participando atualmente na compreensão de como os processos cerebrais, o comportamento e a cognição interagem. A neurociência cognitiva está envolvida ativamente na investigação de como os seres humanos, organismos ativos e pensantes, usam seus cérebros para atingir suas metas e satisfazer as suas necessidades no contexto de entornos complexos e mutáveis. Esta investigação mostra conexões inextricáveis entre a , que se considera baseada na mente, e o entorno e entre a cognição e a ação, que considera que tem uma base física [1]. A investigação recente baseada na ressonância magnética funcional [2] mostra que os aspectos específicos da cognição sensorial e motora básica, assim como processos mais complexos de reconhecimento facial e de palavras, ou como o pensamento, todos eles considerados como baseados na mente, estão apoiados pelas zonas cerebrais com alto grau de especialização nos nossos processos, o que sugere que a interação mente-cérebro ocorre através dos mecanismo cerebrais altamente especializados. A memória episódica, por exemplo, a capacidade de lembrar o que aconteceu com você e quando o fez, e que se acredita que é exclusivamente humana, é uma habilidade importante da mente humana. Foi investigada [3] buscando através da neuroimagem em regiões específica da memória episódica cerebral do lobo frontal (diferentes dos relacionados com a memória semântica), descobrindo que ligam ainda mais o cérebro e a mente.

A relação entre o cérebro e a mente é especialmente importante no campo da psiquiatria que implantou o tratamento a longo prazo invés da dicotomia mente/cérebro. Gabbard 2005, afirma que o cérebro e a mente não são entidades separadas, mas que "a mente é a atividade do cérebro". Gabbard, 2005,[4] deplora a ampla associação psiquiátrica dos genes, medicações e fatores biomédicos às entidades cerebrais, e entorno, psicoterapia e fatores psicossociais à mente, e defende por unidade de mente e cérebro, com ênfase no caráter inseparável da interação entre os genes e o meio ambiente, assim como entre os fatores psicossociais e a estrutura do cérebro. A polarização do cérebro e da mente na psiquiatria contemporânea, e a subsequente visão de que a medicação está indicada para distúrbios biológicos ou cerebrais enquanto que a psicoterapia é apropriada para distúrbios psicológicos ou mentais, é, na sua opinião, um erro que atrasa a aplicação de tratamentos integrais bio-psicossociais.

Neste contexto de investigação psiquiátrica do cérebro, existem provas de neuroimagem que mostras que as variáveis mentais associadas com a mente jogam um importante papel na base neurofisiológica da conduta dos seres humanos [5]. Esta conclusão é baseada nos resultados das investigações de neuroimagem do efeito da psicoterapia em pacientes com transtorno obsessivo compulsivo, transtorno de pânico ou transtorno depressivo maior unipolar; o que demonstra que as funções e os processos implicados na atividade cerebral afetam a atividade cerebral e a plasticidade. Os resultados dos estudos sobre o efeito placebo também convergem para a mesma conclusão, ou seja, que os processos mentais baseados na mente produzem atividade cerebral[5]. Estes estudos mostram que a mera crença e a expectativa criada pela ingestão de um medicamento placebo, modula a atividade fisiológica e química do cérebro.

Referências

[1] Makeig S, Gramann K, Jung T, Sejnowski T J, Poizner H, A vinculação do cérebro, da mente e do comportamento. Revista Internacional de Psicofisiologia, Volume 73, Número 2, agosto de 2009, páginas 95-100; os processos neurais na Psicofisiologia Clínica

[2] Kanwisher N. Especificidade funcional no cérebro humano: Uma janela para a arquitetura funcional da mente. PNAS, 22 de junho de 2010 (vol. 107, núm. 25, 11163 até 1117)

[3] Tulving E. A memória episódica: Da mente ao cérebro. Annu. Rev. Psicologia. 2002. 53:1-25

[4] Gabbard G.O. Mente, cérebro, e transtornos de personalidade, American Journal of Psychiatry 2005; 162:648-655)

[5] Beauregard M. Efeito da mente na atividade cerebral: A evidência dos estudos da neuroimagem da psicoterapia e o efeito placebo. Nord J Psychiatry 2009; 63:5 _16.

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail