Escolha sua plataforma e compre
Tente um mês grátis de carga com 10 licenças.
Para que vai servir a conta?
Cadastre-se
loading

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

Alzheimer - O que acontece com o cérebro?

Alzheimer - O que acontece com o cérebro?

A doença de Alzheimer (DA) afeta a memória, o pensamento e o comportamento de pessoas idosas. DA avança inexoravelmente, fazendo que as pessoas com a doença se esqueçam pouco a pouco dos conhecimentos adquiridos durante toda a sua vida e interferindo nas lembranças mais simples entre as atividades cotidianas. Finalmente, os pacientes acabam se esquecendo inclusive dos nomes dos seus familiares. Enquanto a maioria dos cientistas acreditam que a DA não é uma parte normal do envelhecimento, ainda continua a ter um intenso debate sobre o assunto.

A doença de Alzheimer afeta uma grande parte do cérebro. Começa com a interrupção do modo em que as cargas elétricas viajam nas células, assim como da ação dos neurotransmissores. Isto provoca uma interrupção na comunicação entre as células nervosas, o que afeta a diversas funções do cérebro.

O outro efeito que tem a doença de Alzheimer no cérebro é que destrói os tecidos nervosos em todas as partes do cérebro. Isto provoca uma redução considerável do cérebro, o que afeta a quase todas as suas funções. A contração é grave na parte do cérebro conhecida como hipocampo - que é responsável pela do trabalho assim como a criação de novas memórias. Outras mudanças notáveis que o Alzheimer produz no cérebro incluem o enrugamento do córtex cerebral, causando danos as partes responsáveis por pensar, lembrar e . Os espaços do cérebro cheios de fluídos dos ventrículos se tornam maiores.

Sob o microscópio, se observa que os tecidos que tem a doença de Alzheimer, tem poucas células nervosas e sinapses em comparação com um saudável. Há também aglomerações anormais de fragmentos de proteínas conhecidas como placas, que se acumulam entre as células nervosas, assim como os emaranhados neurofibrilares nas células nervosas mortas ou moribundas. Os emaranhados são formados por filamentos torcidos de outra proteína. Tanto os emaranhados quanto as placas são consideradas a principal causa da perda de tecido e da morte das células no cérebro de uma pessoa que sofre de Alzheimer. Ao se formar emaranhados no cérebro, as vias se descompõem e se desintegram, o que altera o fornecimento dos nutrientes e outros as células, levando a sua morte. Por outro lado, as placas são em sua maioria formadas por beta-amilóides que bloqueiam os sinais de uma célula a outra na sinapse.

Como a doença de Alzheimer progride, estas placas e emaranhados vão se propagar pela córtex cerebral. Começam se expandindo nas áreas do cérebro relacionadas com a memória, o planejamento, o pensamento e a aprendizagem, para passar depois as relacionadas com a fala e o entendimento, e as zonas relacionadas com a detecção dos fatores que cercam o individuo. Nas fases mais graves, a córtex está extremamente danificada, estendendo-se a difusão da morte das células, o que causa a contração do cérebro.

A taxa de progressão da doença varia de um paciente a outro, desde 8 anos de esperança de vida em alguns doentes, até os 20 anos em outros.

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail