Escolha sua plataforma e compre
Tente um mês grátis de carga com 10 licenças.
Escolha sua plataforma
Cadastre-se
loading

Ao se registrar e usar CogniFit, você aceita que leu, entendeu e que está de acordo com as de Uso e a de Privacidade de CogniFit.

Dano Cognitivo Brando

Dano Cognitivo Brando

Mark Spencer, de 72 anos, Detroit, começa a se esquecer de coisas importantes. Se preocupa em ter que tomar decisões e lhe custa muito planejar as tarefas e afazeres diários. As vezes, se perde em torno de lugares que conhece bem. Em outras ocasiões, é incapaz de acompanhar uma conversa e de refletir com calma e racionalmente sobre qualquer problema. Seu melhor amigo, Jim, e sua esposa, Mira, perceberam todas estas mudanças. Mark se encontra cada vez pior, mas ainda pode levar uma vida normal e independente. Entretanto, está cada vez mais preocupado pela sua mental e, finalmente, caiu em depressão.

Mark poderia estar experimentando os sintomas de dano cognitivo leve (MCI), uma doença de cognitivo que, ainda que não afete a capacidade para manter uma vida independente, é mais grave que o declínio cognitivo que caracteriza o envelhecimento normal. O MCI pode se estabilizar e permanecer sem mudanças durante anos. No entanto, cerca de 100os indivíduos com dano cognitivo leve desenvolvem o . Em outros casos, o MCI demonstrou uma melhora com o tempo. As suas causas não são bem compreendidas, mas a análise das autopsias indicam que os cérebros de algumas pessoas com dano cognitivo leve foram submetidos a mudanças biológicas semelhantes as observadas na doença de Alzheimer, tais como a formação de placas e os emaranhados neurofibrilares, os corpos de Lewy, e a perda do volume do hipocampo. Os estudos demonstraram uma relação entre o dano cognitivo leve e apoplexia leve, a redução do fluxo sanguíneo e do uso de glicose. As doenças como o colesterol alto, a diabetes, a pressão arterial alta, o tabagismo, a falta de exercícios e a falta de interação social também foram vinculadas a MCI. O principal fator de risco para o dano cognitivo leve é a idade avançada. Um segundo fator de risco é a presença de um gene chamado APOE-e4. Não há nenhuma medicação aprovada pela Food and Drug Administration para o tratamento de MCI. No entanto, as vezes, os médicos e especialista podem receitar medicamentos utilizados para a doença de Alzheimer.

Afortunadamente, a investigação sobre a prevenção e a estabilização do MCI tem dado importantes resultados. Um influente artigo publicado recentemente em Nature descreve provas que demonstram que o exercício físico, o treinamento cerebral, as relações sociais e uma dieta saudável, levam um menor risco de dano cognitivo, dano cognitivo leve ou demência. Em particular, o autor analisa os resultados dos estudos científicos sobre o treinamento cerebral:

"Treinamento cerebral: pesquisadores canadenses usaram a ressonância magnética funcional para examinar a atividade cerebral em 15 pessoas com dano cognitivo leve. Depois de um programa de uma semana projetado para ensinar aos participantes novas estratégias de memória, houve uma ativação em várias regiões cerebrais adicionais durante as provas de memória, o que sugere que as zonas intactas do cérebro foram capazes de assumir as áreas danificadas. Os participantes também tiveram melhores resultados nas provas. Muitos estudos sobre a estimulação cognitiva e a demência fazem uso dos jogos de computador projetados para potencializar as habilidades mentais. Tais intervenções de treinamento cerebral produzem resultados positivos nas pessoas com a doença de Alzheimer e doenças relacionadas."[1]

É muito importante manter o seu cérebro saudável e treinado para retardar a sua deterioração tanto tempo quanto seja possível. Já que as pessoas com dano cognitivo leve parecem ter uma maior probabilidade de evoluir para a demência e a doença de Alzheimer, é importante tomar medidas para manter um cérebro saudável.

[1] Deweerdt, S. A atividade é a melhor medicina. Pode realmente o exercício, a interação social e a dieta mediterrânea adiar o dano cognitivo da doença de Alzheimer? | 14 de Julho de 2011 | Vol. 474 | Naturaleza | S17

Por favor, escreva o seu endereço de e-mail